domingo, 11 de junho de 2017

JUNTO À PEDRARIA DA CALÇADA



Junto à pedraria da calçada

Junto à pedraria da calçada,
cinza agreste de granito velho,
um fio de geada enfrenta o silêncio
diluído na bruma.

A cidade,
lentamente vestida de negro,
acorda os frenéticos do sexo,
ávidos de orgasmos.

E o cheiro dos corpos suados,
invade a noite e as luzes ferrugentas da rua.

Num suspiro, a noite morre
e a pedraria da calçada,
cinza agreste de granito velho,
dilui-se num fio de geada.

ana paula  lavado ©                            

domingo, 4 de junho de 2017

JÁ NÃO REGRESSO AOS DIAS EM QUE ME AMAVAS!


Já não regresso aos dias em que me amavas!

É inútil a terra onde desbravo as memórias.
Do teu incógnito sorriso, tenho o amargo dos dias
em que o teu incógnito sorriso não me sorri.
E da terra lenta que não frutifica as flores,
a saliva amarga das palavras que não pronuncio.

É inútil o pensamento que me encarcera.
Das tuas diminutas palavras, tenho a inquietação dos dias
em que as tuas diminutas palavras não me falam.
E da terra estéril que não produz a seiva
o fel dos dias que não produzem memórias.

Já não regresso aos dias em que me amavas!


ana paula  lavado ©                                              

sexta-feira, 26 de maio de 2017

O ESPELHO



O espelho

Guardo-te na imagem indiscreta do espelho
onde o reflexo é um oceano.
Alga pura, maré serena e as águas
inquietas fantasias de todos os segredos.
E não penso. Retorno à imagem esbatida pelo tempo
e sinto os contornos do teu rosto
como névoa em maré preia.
E não penso. Não há nada para pensar.
Apenas os traços por detrás de uma ilusão impossível
aquieta o mistério das coisas.

ana paula  lavado ©                                    

domingo, 30 de abril de 2017

HÁ EM MIM ALGUMA MORTE, QUANDO ESCREVO



Há em mim alguma morte, quando escrevo

Quem me dera esquecer aquele dia de chuva
ou aquela tarde de domingo em que todos passeavam alegres.
Debaixo do braço, uma sacola de memórias
aterroriza-me o tempo. Sinto saudades das coisas que já não tenho
e das tardes junto ao mar, ouvindo seres que me faziam rir.
Sinto saudades dos cabelos compridos, das mãos que namoravam
como se não houvesse tempo e dos lugares onde nunca estive.
Estou comigo como se não estivesse com ninguém. Desfolho as pétalas
de uma rosa contando o tempo que ainda terei para viver. E à volta da minha boca surgem gestos que não dizem nada.
Há em mim alguma morte, quando escrevo. As palavras sabem
a metáforas e a lugares onde não cabe o pensamento.
É impossível viver este tempo sem amargura. É impossível viver.

ana paula  lavado ©                                   

sábado, 22 de abril de 2017

AS SEREIAS



As sereias

Quando mudam as marés,
e os limos adormecem na areia,
as sereias entoam cânticos de sedução
chamando os homens ao seu encantamento.
E eles partem.
Uns com redes preenchidas de esperança
outros com desejos plenos de fantasia.
Nas águas, revoltas de mistérios,
a lucidez dos dias
embala os navios que se fizeram ao mar
antes que a noite se oculte em segredos.
Partem para longe, os homens da faina,
e os outros homens partem também.
E as sereias, enfeitiçadas pelos limos,
encantam os homens que navegam nas marés.

ana paula  lavado ©                         

segunda-feira, 17 de abril de 2017

AS MÃOS



As mãos

Aperto as tuas mãos como se fosse
perdê-las entre os veios das minhas
e na ausência que a distância consente
guardo nas mãos as mãos das tuas linhas.

E quando o Sol se guarda no poente
antes que a noite desperte e se conceba
aperto as tuas mãos dentro das minhas
amando sem que a noite se aperceba.

ana paula  lavado ©                   

quarta-feira, 12 de abril de 2017

É AMOR





É amor

A manhã abriu em pluma
Leve e suave como as rosas

É amor

E as árvores crescem lentamente
Dentro da seiva das montanhas

É amor

E amo.


ana paula  lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

terça-feira, 11 de abril de 2017

O RIO QUE ARDE



O rio que arde

já não sei se choro
já não sei se vivo
já não sei se morro.

tenho as mãos fechadas
vazias de nadas
cheias de solidão.

e o rio que arde
sonha-me quando parte
leva-me no coração.

ana paula lavado ©                 

domingo, 2 de abril de 2017

SUFRÁGIO DA MORTE


Sufrágio da morte

No sufrágio da morte,
perante a plateia de eleitores,
a tua alma inquietada
não tem nada.
Só um desejo insano
uma vontade velada
mais nada.

És um herói
sem causa nenhuma
uma lacuna
um fosso entre a realidade e a ficção.
És um fraco
uma indecência da vida
uma incoerência
uma discrepância
uma anulação.

E na altura do voto
gritas pleno de vontade:
“esta não é a minha hora!
Olhai a verdade,
preciso de tempo
preciso de alento
preciso demonstrar
que sou herói”.

Não tens nada a temer.

Oh vontade primeira!
Neste sufrágio não queres vencer!


ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

quinta-feira, 23 de março de 2017

QUANTOS VERSOS TEM O TEU POEMA?



Quantos versos tem o teu poema?

Diz-me poeta, quantos versos tem o teu poema.
Sim, esse. O que fala de amor.
Falas do mar e do vento
dos jasmins e do poente
e com um sorriso que mente
cantas o maior encanto.

Quantos versos tem o teu poema?
Um de tristeza, outro de dor
e um com lágrimas de pranto!

ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

sábado, 11 de março de 2017

OS TEUS OLHOS



Os teus olhos

Os teus olhos têm sabor a mar
a cor dos navios quando regressam ao cais.

Os teus olhos, meu amor,
são o lume
e o ventre de outros olhos iguais!


ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

domingo, 5 de março de 2017

O VOO DAS AVES



O voo das aves

Deixa que te diga para onde foram as aves
e os ventos do Norte que sobrevoam a margem do rio.
Sabes! Quando percorro a calçada
lembro as marés que molhavam o meu corpo
com o anseio da noite que iria chegar em surdina.
Vai longe o tempo em que adormecia nos teus braços
enquanto a maré preia me ocupava o corpo
com todos os sonhos do mundo.

As aves partiram em direcção ao horizonte
e não voltaram. O seu canto ecoa nos meus passos
mas tudo não passa de fantasia. E o vento,
o vento limpou as pegadas do chão, para que não restassem vestígios
das horas que, paulatinamente, roubamos ao rio.
Restam as linhas que continuam a resistir ao tempo
e vão deixando sulcos para que a memória não voe com as aves.

Se as aves voltarem, morrerei cantando em verso
a sua mais inquietante melodia.

ana paula lavado ©                                   

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

QUEM SOU?



Quem sou?

Um dia mandaram-me embora
E eu não perguntei porquê

Um dia roubaram-me a alma
E eu não perguntei porquê

Um dia mataram-me os sonhos
E eu não perguntei porquê

Um dia mutilaram-me a vida
E eu não perguntei porquê

Um dia negaram-me o futuro
E eu não perguntei porquê

Hoje quero saber quem sou
E não tenho a quem perguntar!


ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

AH, COMO SOU INÚTIL QUANDO AMO!



Ah, como sou inútil quando amo!

Um dia hei-de querer ser poeta
para dizer ao mundo
o quanto amo as coisas inúteis.

As pessoas são escravas dos objectos.
Das roupas, dos carros, das casas
do estatuto social, da posição económica
dos bens materiais e da hipocrisia
- que não é objecto mas parece –
e toda a gente se esquece
do amor,

e das flores, e das folhas caídas no chão
e do vento que trouxe uma semente do alto da montanha
e fez nascer uma árvore na berma da estrada,

e do amor,

ah, como sou inútil quando amo!

ana paula lavado ©                        

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

QUANTA MISÉRIA, QUANTO DESGOSTO



quanta miséria, quanto desgosto

ouvi. ouvi todos os dias
a mesma lenga-lenga sem nexo
o discurso arbitrário e desconexo
as mesmas palavras sem rectidão.

ouvi gestos de prepotência
gritos heróicos de violência
falsos pudores por compaixão.

ergo as mãos como quem reza
(que eu não sei rezar)
e alongo os dedos ao longo do rosto.

quanta miséria, quanto desgosto.

ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     


quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

DE QUANTAS MORTES MORRE O AMOR?



de quantas mortes morre o amor?

sabes de onde vem a tempestade
de onde vem o vento
de onde vem a dor,

de quantos nascentes nasce um ocaso
de quantos ocasos morre um sonhador,

de quantos umbrais se ergue uma estória
de quantas estórias se faz um narrador,

de quantas vidas se faz uma vida
de quantas mortes morre o amor?
                                                         
ana paula lavado ©                    

sábado, 7 de janeiro de 2017

SÓ EU E A MINHA LOUCURA!



Só eu e a minha loucura!

Não há mais versos para escrever.
Já gastei todas as linhas.
Fui poeta por um dia
em toda a minha existência.
Agora sou apenas abandono
escuridão triste e descorada
sou noite e não sou nada
incongruência de dias sem razão.
Sou o mar ao longe
a neblina que sofre de solidão
a guerra que morre de tortura.

Só eu e a minha loucura!

ana paula lavado ©                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     


quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

DEIXA QUE EU PARTA



Deixa que eu parta

Deixa que eu parta
que os ventos me levem de repente
e que não haja tristeza
nem lágrimas
nem melancolia.

Já fui, um dia
Poeta de mentes imprevistas
fera de dores e de agonias
viajante sem rumo nem destino.

Agora, sobeja-me o desatino
a arte sem arte de saber,

Deixa que eu parta
que parta para onde Deus quiser!

ana paula lavado ©